health

[cinema][bleft]

Technology

business posts

Calma, Atlético.


Com a derrota para o Flamengo, muitos atleticanos podem estar refletindo sobre a continuação do Atlético no Brasileirão daqui pra frente. Será que foi apenas mais um acidente de percurso? Ou será realmente o fim de um possível encanto ilusório da busca pelo título ou até mesmo de uma vaga na Libertadores?

Essas perguntas que surgem em dados momentos do futebol, ainda não possuem (e dificilmente um dia irão possuir) uma fórmula exata para se achar a resposta como se fosse uma equação matemática. Dizer simplesmente que o Galo vai ganhar tudo daqui pra frente, porque os adversários, em sua maioria, estão nivelados por baixo, em decadência, ou então, dizer que começará uma fase negra, de derrotas, por acreditar que “o time não é isso tudo”, não passa de achismos. Entretanto, para termos bases para nossas teorias, conceitos e suposições, podemos recorrer a algumas informações para analisarmos tal situação de uma forma um pouco mais apropriada.

No ano passado o atual técnico do alvinegro mineiro, Celso Roth, dirigiu o Grêmio durante todo o Campeonato Brasileiro. E a exemplo do Galo, permaneceu por um bom tempo na liderança e tendo a desconfiança daqueles que acompanham o futebol. Além da torcida gremista, pouca gente apostaria no título dos tricolores gaúchos. O que de fato, não aconteceu.

Após 15 rodadas, a posição dos gremistas era a primeira colocação com 29 pontos, um a mais que o vice-líder Flamengo. Eram oito vitórias, cinco empates e duas derrotas. Ao final do Campeonato, o Imortal chegava em segundo lugar e garantia assim sua vaga para a Taça Libertadores da América com 72 pontos ganhos.

No Brasileirão deste ano, temos 15 rodadas disputadas e o Atlético possui 28 pontos (um a menos que o Grêmio nessa mesma rodada ano passado), com oito vitórias, quatro empates e três derrotas.

Apesar de um empate a menos e uma derrota a mais, o número de vitórias é o mesmo, o que faz com que as campanhas fiquem parecidas.

O que realmente difere do ano passado para este, é a situação do líder. Enquanto em 2008 o próprio Grêmio, na décima quinta rodada, liderava o certame, esse ano temos o Palmeiras na frente com 31 pontos.

Em momento algum o Galo deu pinta de que seria o campeão brasileiro esse ano, ainda mais se lembrarmos a forma em que foi derrotado na final do Campeonato Mineiro para o Cruzeiro. Vexatoriamente. Mas as circunstâncias atuais mostram que se o técnico Celso Roth conseguir manter a equipe focada a ponto de permanecer com o aproveitamento que possui, a classificação para a Libertadores 2010 é sim uma realidade.

Ainda na base das projeções, até mesmo os mais fanáticos torcedores da equipe mineira não apostariam em seu time se mantendo entre os líderes por todo esse campeonato. Vale lembrar que parte da torcida não via com bons olhos a chegada de Roth logo após a perda do título regional.

Assim como para o último adversário do Galo, o Flamengo, a vitória não pode ser motivos de euforia, a derrota para os derrotados, não pode soar como o momento do: agora já era.

A fase é de renovação e ressurgimento (pelo menos tentativa de) conforme o prometido pelo atual presidente, Alexandre Kalil no momento da sua posse. Só do clube não começar o campeonato pensando na fuga do rebaixamento ou simplesmente em ser um dos melhores colocados dentre os classificados para a Sulamericana, podemos dizer que há evolução no trabalho.

Fazendo um balanceamento de se evitar o baixo astral por essa derrota e outras que virão e não deixando o clima de oba-oba invadir o sentimento de todos dentro do clube após cada vitória, o Galo Forte e Vingador pode terminar o nacional se vingando das más campanhas e mostrando sua força, ao se classificar para o torneio mais cobiçado do continente.

[Foto: Lancenet]

5 comentários:

Filipe Frossard Papini disse...

De fato, o time de galo segue em uma crescente. Se compararmos o time do ano passado, com o time do começo do ano, há uma melhora gigantesca. Se compararmos de novo, desta vez, o time do começo do ano, com o time de agora, enxergamos uma melhora significativa. Mas o que acontece pro Atlético então demonstrar essa decaída? Talvez por estar no topo da tabela, começa a ser o ''time a ser batido''. E isso acaba gerando, por parte dos adversários, grandes estudos sobre tática e treino do líder. É natural essa queda, mas de uma forma genérica, acredito que o time alvinegro brigará pelas cabeças do campeonato até fim, claro, se manter o plantel e/ou reforçar o grupo. Pedro Oldoni e Renteria já estão no elenco, previsão para jogar, ainda não há. Vamos esperar, o banco do atlético, atualmente tá um fracasso, este, talvez, tenha sido o responsável pelo fracasso no Maracanã.

Bom texto Wilson!
[http://brasilyonnais.blogspot.com]

Vv disse...

Wilson,
só tenho uam coisa a dizer: SÓ DEU MENGÃO :) ! E eu estava lá !!!! bjão, Vv.

Maldita Futebol Clube disse...

O Galo voltou a ser Atlético, um time medíocree o flamengo mostra sinais de evolução WH! cara, texto sempre brilhante, dá gosto de ler , camarada! abs, leandro

Denilton "Pé" disse...

Em um campeonato longo assim,com é o brasileirão,acho muito normal todas as equipes ter altos e baixo,pr isso não vejo porque a torcida atleticana se preocupar,ainda muita coisa irá acontecer.
Muito bom seu blog!
Parabéns!
Abraços!
http://papodebolap.blogspot.com

Filipe Frossard Papini disse...

O Sr. Leandro, rapaz de 38 anos, formado em jornalismo... acaba de provar que não conhece a história do futebol. Falar que o Atlético "voltou a ser medíocre" e tamanha ignorância. Se fosse palavras de alguém que tivesse nascido depois dos anos 90 e não tivesse presenciado com era o brasileirão nos anos 80. Bem, ou não conhece de futebol, ou é típico bairrista, do eixo do mal. Lamentável. Por essas e por outras que acabam com o diploma do jornalista.